Entardecer de Pétalas II

II – Reservas Íntimas

Eu sinto minha alma florescer crisâtemos
no alvorecer tristonho mergulhado em lágrimas!
Te amo inutilmente como pelos pântanos,
murmúrios e canções, me restam tuas lastima!

Quem disse que beber do vinho fere o estômago
Na queimadura exata de uma dor empírica?
Se a tristeza invade a dor feito relâmpago,
melhor enclausurar-se em palavras císmicas!

Outeiros me revelam teu amor tão cáuticos,
estraçalhando noites de insônias gástricas…
o teu olhar corrompe o meu olhar gnóstico,
nas greves te procuro num suspiro mágico!

Reservo-me ateu em teu querer poético,
num fúnebre amor de morrer jurídico!
Não tenho intenção de protestar o cético,
pois somos iguarias em território sísmico!

Te amo meu amor numa memório póstuma,
alvoroçando cinzas em paixões alcoólicas…
esqueço e desfaleço em tua carne próxima,
por que a nossa dor nos morde melancólica…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: