Amanheceremos

O silêncio
Bate nas janelas
Nas portas que estão fechadas…
– um nevoeiro!

Amanhã quem sabe de manhã
O sol brilhe diferente!
Refletindo no espelho,
O espelho que te reflete!

-O Sol!

-O silencio é um barulho calado,
Foi forçado a calar-se,
Quem sabe amanhã pela manhã
Poderemos chutar
Uma lata no meio da rua,
Gritar, jogar pedras nos telhados de vidro!
Bater nas portas e correr…
… dos vizinhos que não topamos!
Ou será que eles não nos topam?
Bem! É certo que devemos levantar cedinho…
Bem cedinho!
Respirar bem fundo o ar que nos resta!
E tossir desde cedo, aquele “ar” deixados pelos outros!

Tornar-se utópico querer o silencio:
Óculos?
Obstáculos? Pedágios?
Espetáculos? Merendas e bolinhas de gude?

Ridículo!
Maníaco!
Amoníaco pensar assim!

Acúmulo de acústicas palavras
Elásticas fomes dilaceram a sociedade,
E ficamos estáticos pelos banners que nos iludem!
Somos sem etiquetas,
Não temos etiquetas,
Tememos as etiquetas…

Resumindo essa ópera:

Amanhã?
Quem sabe?
Amanheceremos talvez!

(Mar: 18, 1979)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: