Minhas Juras – I

168

(by Vladimir Kush)

Uma visita de http:/palavrassussurradas.wordpress.com in Vale dos Ateus: em busca de um retorno amor! – IV

I – Minhas juras

À todas as minhas vontades,
à todas minhas esperanças,
(esperava eu qual criança!)
Tive de renunciar!
Também eu estou tão velha!
Abandonei o barco que se afundava
Todos os meus retratos – os seus retratos, naufragaram junto,
Justo agora que a amnésia me rouba teu rosto!
Pudera! Quis tanto te esquecer,
Quis tanto te deixar…consegui.
Meu silêncio perdura,
É ele infindável,
Remei contra marés,
Estou cansada!
Voltei a trilhar meu caminho,
Mais madura, mais esperta,
Menos ingênua, menos pura…
Qual nada!
O coração segue despedaçado,
Impera agora a Senhora Razão,
Retomo meu caminho,
Que trilhei e planejei,
Não mais desviarei,
Roubo palavras, pois as minhas secaram,
É o viés de um parto,
Encontrei o fio de Ariadne,
Saí do labirinto,
Em que inadvertidamente havia me enfiado,
Em tua busca: ó Velo de Ouro.
Mas os deuses me sabotaram:
Tal qual fizeram com Ulisses: perdi-me
Eles não gostam de mim,
São deuses ciumentos,
Sou eu Pandora,
Sou eu agora,

Eu…
Te juro!”

(Fev: 18, 2008)

Uma resposta to “Minhas Juras – I”

  1. Vertiginosas juras… Muitas renúncias, sob o crivo da razão, que recupera caminhos perdidos. Qual nada… o coração segue despedaçado devido a algumas perdas e buscas… Bjs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: