Flertes Incólumes

Uma visita de dai.lendo.org in Pontes Estreitas em Caminhos Distantes – II

E eu que tentei casar com a poesia… Senti-me abandonada por toda minha vida. Rejeitada por suas formas perfeitas, deixada de lado, num certo lado do abismo onde eu sempre senti-me desgraçadamente uma pessoa não grata para o delirar poético. Eu que sempre fui orfã dela, que a olhava e a desejava de longe porque não a tinha em meus braços, não a dominava e nem poderia amá-la da forma certa…

Não posso compreender o porquê d’eu hoje voltar a flertar com ela, babando como sempre meu amor eterno…

Confesso que até tentei assassiná-la, me fazer um ser cáustico, infernalmente descrente da poesia. Porque sempre fiquei do lado de fora, desamada por ela, imperfeita que sou e fui…

Eu não sei escrever poesia, eis a minha dor. Entretanto eu não poderia cometer o maior dos pecados, ou seja, eu jamais deveria esquecer que apesar de descobrir-me medíocre para ela, eu não poderia esquecer dos poetas. Afinal, cada um nasce com um dom: que seria de mim sem o dentista, o marceneiro, açougueiro e o pedreiro?

Mas eu não quereria arrancar dentes, tampouco serrar madeiras, fazer um corte perfeito numa alcatra ou construir o mais belo castelo…

Eu só queria escrever poesia… que pena…

Mas hoje, descobri que o amor verdadeiro consiste em apreciar uma obra de Deus. Afinal, um nasce pra sofrer, enquanto outro ri.

(Fev: 16,2008)

Uma resposta to “Flertes Incólumes”

  1. Obrigada pelo carinho. Enxugou minhas lágrimas…rs.

    Um beijo, mestre.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: