Poema da Sustentação – VII

VII – As Lembranças

Minha boca sente a sede de te ver
Com chama de arder quem chama
Descompassado o coração de leigo
No leito eterno de tua companhia!

Já vejo a hora de partir sem sol
Repousando no poente e pó
Bastava vir meus olhos no horizonte
Serem fisgados por outros anzóis!

E sono é tão resplandecente agora
Que vou soluçando no engatilhar visagem
Não há uma solução que te infinite hoje
Meu vulto deita e não levante mais

Pudera eu voltar aquele encontro
Que ontem se tornou lembranças
Desmaio num olhar que cega
E finda um aperto de mão!
(Mai: 30, 1981)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: