Apocalipsia

I
Deixe que o sino se estronde mais uma vez,
E mesmo que esteja em silencio com o teu corpo,
Não há motivos de se caminhar em vão…
Pelas paredes, velhos retratos, vivi!

O nó se aperta na garganta ao fim do mês…
O dia se aproxima de amargurado desgosto,
Querendo exaltar todas as musas,
Então, num sopro breve. No qual eu sempre previ!

II
Meus olhos se cegueiam ao vulto etéreo
Que todo o respeito simulado rosto,
Disfarça em risos e sombras de meu chão…
… de estúpida vidência desta ausência em mim!

Os poros se dilatam em hemorragia,
Estilhaçando os ossos que me são inocentes;
No peito explode um simples rufar de tambores,
Que pára no tempo, para nunca parir!

III
Condenado em formação de carne, descreio:
Em todo que é sagrado: Pai, Mãe e até Filho…
O asfalto nem sentiu meus pés pisarem fortes!
E nem sequer tenho meu nome p’ra se ouvir…

E, quando aos goles de embriagantes tintos,
Era começo de um meio fio de abandono,
Quis gritar: -”Mamãe!…” Mas era tarde demais,
Desmaiei no colo de alguém que nunca vi!

Minha presença tornou-se inválida aqui…
Emudecendo sinos, desempilhando tijolos;
Seria ladrão se roubasse minha vida…
Não houve orações… nem cantigas… Dormiram-me, apenas!

(Set: 27, 1979)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: