Curar-te como?

Respostas! 

Curar-te como?
és a própria cura!!!
Me procuras???
Luna de meus dias…
Sol de minhas noites…

Curar-te como?
Deste-me um pouquinho
do estar sozinho,
destes frios caminhos
quais trilhos pela tua luz…

Curar-te como?
És as minhas 4 estações de Vivaldi,
fico a te observar pela minha janela,
os cirros que transmutam nosso emblemas…
pelas varandas, sinto a brisa
das ruas ervas….

Curar-te como?
Reconcilio-me com minhas distâncias,
espectro fico a murmurar insanas músicas,
delírios em chás verdes me afogam,
gotas de orvalho em minha face
desmaiam por ser covarde simplesmente!!

Curar-te como?
Se és de tudo que escrevi
o elo que parti dessas algemas incuráveis
insensíveis,
impossíveis de eu somente eu rompê-las…

Curar-te como?
Juro-te não haverá mais brigas,
estonteantemente tuas palavras
me avisam pra curar-te…

Com palavras?
Com segredos?
Com distâncias?
Com medievos sonhos poéticos?

Sou um mortal que persiste em trair a morte
com sonetos, poesias…

Não andeis assim,
Retornes com o teu fulgor real,
retires do âmago o torpor da ânsia!!!

Curar-te como?
Mostras-te me o cálice do estusisasmo,
transbordastes em mim a realeza
de não me sentir mais mortal,
e sim, imortal…
que procura imortalizar os belos
momentos que passeamos juntos
pelas nossas calçadas.

Estendo-te meu travesseiro,
aliás, as minhas mãos!!!

(Jan: 21, 2008)

3 Respostas to “Curar-te como?”

  1. Emoção é o termômetro que mede um poema. E quando o coração sorri no final da leitura e a alma dança em festa, tenha certeza de que estás diante de um conjunto harmonioso de palavras que traduzem o espírito dos sonhos em nuvens etéreas. A poesia se faz a partir dos sentimentos e através das hábeis mãos de um escritor de codinome Poeta.

    Amo sempre o que escreves.

    Abraço apertado.

  2. Gostei de muitos dos seus poemas, professor, e voltarei para ler outros, mas este me falou de modo especial: tem uma ânsia nele que faz as palavras vibrarem com fluidez rítmica, ampliando a sua força afetiva. Acompanhei angustiada o desfecho dessa tentativa de cura, pois como curar o que dá vida? A entrega parece inevitável, não é possível deixar de estender as mãos, ou o travesseiro, perante o desejo de apaziguar a ansiedade criadora, que proporciona grande vivacidade. A solução é ceder a ela, tentar estabelecer alguma união. Achei lindo.
    Abraço!

  3. Suas palavras neste poema, ora desesperado, soam como música ao meu coração. Como sempre suas palavras emocionam!

    Bjus, Aline

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: