Caixa de Pandora

                                              Estou tão mergulhad’em querer
                                             Sentindo um frio do entardecer,
                                             Quem dera buscar tuas manhãs
                                               E nelas pousar a tua história!

Os meus sentidos são teus adeus,
Vou te acorrentar ao Prometeu!
Por que me oferecestes maçãs?
Pra ser minha morte tua glória?

Vilões roubaram os meus porquês!
Misciginando dor ao prazer…
Não pertenço mais ao teu clã!
Não és a minha Helena de Tróia!

Preciso d’um dia esquecer
Que passou foi só amanhecer,
Perdid’em teus braços guardiã
Que descobriu no mundo tramóias!

O nosso quarto sonh’em tecer
Um único cenário de ter
Tecidos e cobertas de lã,
E te cobrir o corpo de jóias!

Se ao menos pudesses me ver!
Sentir meu coração te querer!
Buscavas uma torta alemã
E juntos não iríamos embora!

Oh! deixes grã princesa viver
E a molhar teu corpo reter
O óleo, a seiva de avelãs
Provocando suspiros, adoras!

E ao partir quero inverter
O vértice de um beijo deter…
A minha euforia d’argent
O ouro que o teu corpo exploras!!

Saudades! Eu te deixo o prazer
Com úmidas palavras dizer
Que a nossa história seja sã
Sabendo tu que és minha Pandora!

(Abr: 08, 1998)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: